Em comunicado, a APAV referiu que o centro é “um equipamento provisório que deverá funcionar nos próximos três meses, extensíveis por mais três”, consoante a evolução pandémica em Portugal.

A infraestrutura irá servir mulheres que sejam vítimas de violência doméstica, acompanhadas ou não de filhos até aos 18 anos.

Em colaboração com o Ministério da Saúde, o centro temporário de acolhimento de emergência possui um posto de rastreio da covid-19, com quartos de espera e de confinamento.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.