Os manifestantes carregavam cartazes com proclamações como “SOS Forças Armadas”, “Intervenção militar com Bolsonaro no poder” e “Nova aliança anticomunista”, segundo constatou a agência espanhola Efe.

Também levavam vestidas camisolas amarelas e bandeiras do Brasil, sob o olhar atento da polícia militar, que vigiava a segurança das instalações.

Os simpatizantes de Bolsonaro mudaram-se para o quartel-general do Exército depois de o Governo ter decidido encerrar ao público a Esplanada dos Ministérios durante o dia de hoje, a fim de evitar aglomerações devido à pandemia de covid-19.

A Esplanada dos Ministérios, uma ampla avenida no centro da capital brasileira, onde estão concentrados os edifícios do poder público, tem sido nas últimas semanas palco de protestos, em grande parte a favor do chefe de Estado.

Nesses atos, descritos como “antidemocráticos” pela oposição e em que Bolsonaro tem participado, pede-se o “encerramento” do Parlamento e da Suprema Corte.

Bolsonaro, capitão de reserva do Exército e líder da extrema-direita brasileira, mantém um braço de ferro com alguns poderes legislativos e judiciais, que suspenderam ou alteraram algumas das medidas mais polémicas, como a liberação de armas à população civil.

No sábado, um grupo autodenominado “300 do Brasil”, formado por cerca de 30 ativistas de extrema-direita investigados por divulgar notícias falsas na internet, protestou novamente contra esses dois poderes em Brasília.

O grupo lançou fogo-de-artifício em direção à sede do tribunal superior e fez ameaças a alguns magistrados, segundo foi divulgado nas redes sociais.

Antes, os manifestantes dirigiram-se ao Congresso e ocuparam a cúpula do edifício por alguns minutos com os gritos de “intervenção militar”.

Este grupo montou há algumas semanas um acampamento na Esplanada dos Ministérios, mas, na véspera, o governo decidiu fechá-lo porque, segundo alegou, violava as restrições impostas contra o coronavírus.

Os protestos deste domingo fazem parte de um novo dia de manifestações convocadas pelos apoiantes de Bolsonaro, bem como os opositores do mesmo.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de infetados e de mortos (mais de 850 mil e 42.720, respetivamente) depois dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 430 mil mortos e infetou mais de 7,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.