Desde a Segunda Guerra Mundial que nenhum conflito entre Estados aconteceu tão perto de Oslo e Estocolmo, as duas capitais pacíficas onde são definidos os famosos prémios Nobel (Medicina, Física, Química, Literatura e Paz) há mais de 120 anos, além do mais recente prémio de Economia.

O Nobel da Paz, que será anunciado em 7 de outubro e geralmente o que atrai maior expressão mediática, terá um impacto particular este ano, segundo os analistas.

"O mais provável é um prémio para apoiar as instituições que compilam informações sobre crimes de guerra", declarou à AFP o sueco Peter Wallensteen, professor especializado em questões internacionais.

Alguns citam o Tribunal Penal Internacional (TPI) de Haia. Outros mencionam o portal de jornalismo investigativo Bellingcat.

O período para apresentar indicações (este ano foram 343) terminou em 31 de janeiro, antes da invasão da Ucrânia, mas os cinco membros do Comité Nobel estão autorizados a incluir nomes na lista durante a sua primeira reunião, que aconteceu no fim de fevereiro.

"Alguns pensam que não atribuir o prémio seria a mensagem mais forte sobre a situação internacional", disse Wallensteen.

O Comité Nobel norueguês - o júri que decide quem vence o prémio Nobel da Paz - pode deixar o cargo se considerar que ninguém é digno de receber o prémio, algo que aconteceu pela última vez há 50 anos.

Um possível prémio 'anti Vladimir Putin' pode ser atribuído ao opositor russo detido Alexei Navalny ou à opositora bielorrussa Svetlana Tikhanovskaya.

No ano passado, o prémio foi entregue a um dos grandes críticos do presidente russo, o jornalista Dmitri Muratov, que dividiu o Nobel da Paz com a colega filipina Maria Ressa. A decisão foi uma maneira de exaltar a liberdade de imprensa.

Outras previsões apontam que o prémio possa ser atribuido à organização de combate à corrupção Transparency International, à ativista sueca contra a mudança climática Greta Thunberg ou a outras figuras de destaque da defesa do meio ambiente, como a sudanesa Nisreen Elsaim ou o ganês Chibeze Ezekiel, assim como ao naturalista britânico David Attenborough.

Apesar da "crise de segurança mundial", com a Ucrânia, mas também com Taiwan, "talvez tenha chegado o momento de o Comité se concentrar na crise ambiental", afirmou Dan Smith, diretor do Instituto Internacional de Pesquisa sobre a Paz de Estocolmo.

Mas poderia um prémio como o de Literatura, em tese menos politizado, apresentar uma mensagem implícita contra o Kremlin? A russa Ludmila Ulitskaya, que apareceu nas listas de favoritas nos últimos anos, pode acabar por arrecadar o Nobel, segundo críticos entrevistado pela AFP.

Outros nomes que eram citados com frequência entre os favoritos, como a americana Joan Didion, a britânica Hilary Mantel ou o espanhol Javier Marías, faleceram este ano.

As dúvidas são muitas sobre quem sucederá o britânico de origem tanzaniana Abdulrazak Gurnah, vencedor do Nobel de Literatura no ano passado.

A Academia sueca continuará a premiar autores relativamente desconhecidos do grande público - como também foi o caso da americana Louise Glück, vencedora do Nobel de Literatura em 2020 - ou vai optar por algum nome famoso, este ano?

A americana Joyce Carol Oates, o japonês Haruki Murakami e os franceses Michel Houellebecq e Annie Ernaux permanecem na lista de apostas.

"É mais difícil do que nunca adivinhar, quando lembramos que no ano passado ninguém, sem contar os membros da Academia, pensou em Gurnah", disse Jonas Thente, crítico do jornal sueco Dagens Nyheter.

Ele e outros críticos mencionaram os nomes do húngaro Laszlo Krasnahorkai, dos americanos Thomas Pynchon e Don DeLillo e do dramaturgo norueguês Jon Fosse como possíveis premiados.

A cada ano, os primeiros prémios anunciados são os científicos (Medicina, na segunda-feira, Física na terça-feira e Química na quarta-feira).

Depois é a vez de Literatura na quinta-feira e o da Paz na sexta-feira. O prémio de Economia, o único que não foi criado pelo famoso inventor sueco Alfred Nobel (1833-1896) encerra a temporada, no dia 10 de outubro.

Tratamentos contra o cancro da mama, avanços em biópsias pré-natais ou as vacinas baseadas na tecnologia de RNA - mensageiro são alguns dos campos de pesquisa que, segundo os analistas, podem ser premiados na categoria Medicina.

Além disso, os usos revolucionários da luz ,na Física, ou os pioneiros da Química "bio-ortogonal" também estão bem posicionados para os outros prémios de Ciências.

As cerimónias oficiais de entrega do Nobel acontecem em Estocolmo e Oslo no dia 10 de dezembro.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.