O autarca de Castro Daire, no distrito de Viseu, afirmou, em declarações à agência Lusa, não ter “nenhuma informação objetiva daquilo que serão as medidas a serem decretadas” no município, pelo que não pôde “comentar as breves palavras” de Graça Freitas na conferência de imprensa diária de acompanhamento da pandemia da covid-19.

“Não sei quais as medidas que se pretendem tomar relativamente à nossa situação. Estou na expectativa de saber o que resulta da avaliação feita pelas entidades máximas da saúde quanto à situação epidemiológica no nosso concelho”, referiu Paulo Almeida.

O autarca adianta que, até quinta-feira, existiam no concelho 81 casos confirmados e que se registou o primeiro óbito.

Há vários casos confirmados em lares de idosos, 140 testes a aguardar os resultados e muitas pessoas relativamente às quais não se sabe a origem da infeção, indicou.

“Estamos na fase de transmissão comunitária ativa, o que obriga a medidas mais restritivas”, preconizou.

O presidente da Câmara de Castro Daire sublinhou que a possibilidade de criar um cerco sanitário no concelho “foi colocada em cima da mesa” por, durante a semana, “muita gente” ter antecipado o regresso ao município e se ter verificado uma grande circulação de pessoas na rua, situação que importava travar.

Hoje, acrescentou, houve um reforço do controlo da GNR na via pública e o movimento reduziu.

“Hoje está bastante mais calmo”, informou, reforçando que tem estado em contacto permanente com a Autoridade Regional da Saúde.

A diretora-geral da Saúde afirmou hoje que o cordão sanitário ao município de Castro Daire não se justifica, sendo apenas necessário reforçar a contenção junto da população.

Na quinta-feira, o autarca disse à agência Lusa que validava e apoiava a possibilidade de o Governo avançar com uma cerca sanitária no concelho, uma vez que a pandemia está a ter “contornos bastante alarmantes”.

“Somos da opinião que são necessárias medidas, não de sensibilização e de recomendação, mas medidas que imponham regra e ordem nas pessoas. E, nesse sentido, colocámos em cima da mesa e estamos de acordo com a aplicação de medidas restritivas no nosso concelho, nomeadamente com a questão da cerca sanitária”, explicou então Paulo Almeida.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 96 mil mortos e infetou quase 1,6 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 435 mortos, mais 29 do que na véspera (+6,4%), e 15.472 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 1.516 em relação a quarta-feira (+10,9%).

Dos infetados, 1.179 estão internados, 226 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 233 doentes que já recuperaram.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.