De acordo com uma nota camarária, o executivo municipal tomou conhecimento, na reunião de hoje, que o plano de Ílhavo foi aprovado pela Comissão Nacional de Proteção Civil no passado dia 23 de julho, depois de ter estado 19 meses a aguardar o parecer daquele organismo.

“É de lamentar como este país deixa correr estas coisas com responsabilidade e que muitas das vezes chegam ao cúmulo de se empurrarem para os presidentes de câmara que são os responsáveis da proteção civil”, declarou à Lusa o autarca.

Fernando Caçoilo ressalvou, contudo, que apesar de o plano não estar em vigor, as ações previstas no mesmo já têm vindo a ser executadas pela autarquia.

O Plano Municipal de Emergência e Proteção Civil de Ílhavo foi aprovado em reunião de Câmara a 16 de novembro de 2017 e obteve parecer positivo pela Comissão Municipal de Proteção Civil de Ílhavo em dezembro desse ano, encontrando-se desde então a aguardar o parecer da Comissão Nacional de Proteção Civil.

Aguarda-se ainda a publicação do Plano em Diário da República, após a qual entrará em vigor no dia seguinte.

Nesse seguimento, o Plano Municipal de Emergência e Proteção Civil de Ílhavo no prazo de 180 dias será testado, com um exercício LIVEX ('Live Exercise'), que contará com a intervenção dos vários agentes de Proteção Civil.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.