"Apesar da disponibilidade oferecida aos pais de permanecerem em regime de internamento, os mesmos decidiram que preferiam continuar a prestar os cuidados ao bebé Rodrigo no domicílio, refere um comunicado divulgado hoje pelo Centro Hospitalar de Setúbal.

"A criança e família estão a ter o apoio da Equipa Comunitária de Cuidados Paliativos, mantendo-se sempre na retaguarda o apoio da Equipa Intra Hospitalar de Suporte em Cuidados Paliativos Pediátricos", acrescenta o comunicado, adiantando que Rodrigo, que nasceu no dia 7 de outubro no Hospital São Bernardo, em Setúbal, se encontra estável e não necessita de cuidados especiais em regime de internamento hospitalar.

No passado dia 22 de outubro, o Conselho Disciplinar Regional do Sul (CDRS) da Ordem dos Médicos suspendeu preventivamente o obstetra que acompanhou a gravidez da mãe do Rodrigo e que não detetou as malformações do feto em diversas ecografias realizadas numa clínica particular, mas que não tem acordo com a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

Na altura, o CDRS justificou a suspensão com a "gravidade das infrações imputadas ao médico arguido nos vários processos e aos indícios muito fortes de que efetivamente as cometeu" e considerou que a conduta do obstetra Artur Carvalho colocou em causa a confiança na qualidade dos serviços médicos obstétricos prestados em Portugal e desprestigiou a classe médica.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.