“Tenho conversado com as pessoas envolvidas, todos os dias. Acredito que isso vai acontecer. Mas não quero dar mais pormenores”, disse o líder norte-americano à margem de uma cerimónia na Casa Branca.

Hoje, a Casa Branca já tinha informado que Biden tinha “discutido longamente” com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, os esforços para um acordo que conduza à libertação dos reféns.

Fontes israelitas tinham dado sinais no mesmo sentido, indicando que o Hamas estará disponível para a libertação de reféns em troca de um cessar-fogo na Faixa de Gaza.

A imprensa internacional tem também noticiado que o Hamas poderá igualmente aceitar a libertação de reféns em troca de prisioneiros palestinianos nas cadeias de Israel.

Quando, na passada semana, Biden foi questionado sobre que mensagem queria enviar para as famílias dos reféns norte-americanos em Gaza, o Presidente deixou palavras de alento.

“Aguentem firme. Estamos a tratar disso”, disse Biden.

Já hoje, o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, e o enviado para os assuntos dos reféns, Roger Carsten, conversaram com familiares de alguns dos reféns de nacionalidade norte-americana, para os colocar a par dos desenvolvimentos sobre este tema.

As brigadas Al Qassam, braço armado do Hamas, divulgaram nas últimas horas um comunicado informando que as negociações — que estão a ser conduzidas pelo Qatar, pela agência norte-americana CIA e pela agência de informações israelita Mossad — se concentravam na possível libertação de cerca de 70 mulheres e crianças.

A 7 de outubro, combatentes do Hamas — desde 2007 no poder na Faixa de Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel — realizaram em território israelita um ataque de dimensões sem precedentes desde a criação do Estado de Israel, em 1948, fazendo 1.200 mortos, na maioria civis, cerca de 5.000 feridos e mais de 200 reféns.

Em retaliação, Israel declarou uma guerra para “erradicar” o Hamas, que começou por cortes ao abastecimento de comida, água, eletricidade e combustível na Faixa de Gaza e bombardeamentos diários, seguidos de uma ofensiva terrestre que cercou a cidade de Gaza.

A guerra entre Israel e o Hamas, que hoje entrou no 45.º dia e continua a ameaçar alastrar a toda a região do Médio Oriente, fez até agora na Faixa de Gaza mais de 13.000 mortos, na maioria civis, e mais de 30.000 feridos, de acordo com o mais recente balanço das autoridades locais, e 1,7 milhões de deslocados, segundo a ONU.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.