“Sim, temos um compromisso nesse sentido”, declarou Joe Biden, durante um encontro, transmitido pela cadeia de televisão CNN, com eleitores em Baltimore.

A Casa Branca afirmou à imprensa que a política norte-americana em relação a Taiwan “não mudou”, na sequência das declarações de Biden, na quinta-feira.

As duas maiores economias do mundo opõem-se frontalmente em muitas questões, mas a questão taiwanesa é frequente considerada como a única capaz de desencadear um confronto armado.

Na quarta-feira, o próximo embaixador dos Estados Unidos em Pequim, o diplomata de carreira Nicholas Burns, disse que “não se deve confiar” na China em relação a Taiwan, e recomendou aumentar a venda de armas à ilha para reforçar as defesas.

Burns falava na comissão de Negócios Estrangeiros do Senado norte-americano, que deve confirmar a nomeação do diplomata, que tinha já denunciado as recentes incursões chinesas na zona de identificação aérea taiwanesa como “repreensíveis”.

Os Estados Unidos reconhecem a República Popular da China desde 1979, mas fornecem armas a Taiwan para a defesa da ilha.

A ilha é governada de forma autónoma desde 1949, data em que as forças nacionalistas do Kuomintang ali se refugiaram depois de terem sido derrotados pelas tropas comunistas, que fundaram, no continente, a República Popular da China.

Pequim considera Taiwan como uma das suas províncias e ameaçou recorrer à força, caso a ilha proclame formalmente a independência.

No entanto, o Presidente chinês, Xi Jinping, afirmou recentemente a vontade de conseguir uma reunificação pacífica.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.