Muitos políticos americanos acusam o TikTok, do grupo chinês ByteDance, de ser uma ferramenta de propaganda e espionagem do governo chinês, o que a empresa nega.

“Do ponto de vista da segurança nacional, ainda há preocupações sobre o uso do TikTok em dispositivos do governo federal”, confirmou hoje John Kirby, porta-voz da Casa Branca.

"Isso não impediu que a campanha de Biden se unisse a esta perigosa aplicação de propaganda do Partido Comunista chinês", criticou a senadora republicana Joni Ernst na rede social X.

"Nada como dar ao Partido Comunista Chinês acesso a todos os dados de uma campanha presidencial. Portas abertas para operações de interferência!", ironizou o congressista conservador Mike Waltz.

No seu esforço para chegar aos eleitores jovens, a equipa de campanha do presidente democrata aproveitou o domingo do Super Bowl, final do campeonato de futebol norte-americano, para lançar uma mensagem no TikTok.

“A chegada do presidente ao TikTok ontem à noite — com mais de 5 milhões de visualizações até o momento — ilustra o nosso compromisso e êxito quando se trata de encontrar formas inovadoras de chegar aos eleitores num ambiente mediático em mudança, fragmentado e cada vez mais individualizado”, comentou o vice-diretor de campanha de Biden, Rob Flaherty.

No vídeo, publicado na conta @bidenhq, o presidente democrata, 81 anos, vestido informalmente, participa numa sessão de perguntas e respostas que mistura desporto e política.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.