“Acabei de conversar com um tal de Queiroga — não sei se vocês sabem quem é —, o nosso ministro da Saúde. Ele vai ultimar um parecer visando a desobrigar o uso de máscara por parte daqueles que estejam vacinados ou que já foram contaminados. Para tirar esse símbolo, que obviamente tem a sua utilidade para quem está infetado”, declarou Bolsonaro num evento no Palácio do Planalto, em Brasília, tendo sido aplaudido pela plateia.

Bolsonaro não explicou quando a norma será publicada, nem deu mais detalhes sobre o assunto.

O uso de máscara como medida contra a covid-19 já foi bastante criticado por Bolsonaro, que se opõe ainda ao isolamento social para controlar a disseminação do vírus.

No final de fevereiro, Bolsonaro causou polémica ao dizer que as máscaras de prevenção contra a covid-19 causam “efeitos colaterais”, citando um estudo alemão, sem rigor científico e limitado a uma sondagem com ampla participação de negacionistas, para argumentar que as máscaras não são eficazes para conter a propagação do vírus.

Na ocasião, Bolsonaro, que é frequentemente visto em público e em aglomerações sem máscara, frisou que não daria mais detalhes sobre o estudo porque “tudo desagua em crítica em cima” do Presidente.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o “uso generalizado de máscaras” como parte de uma estratégia abrangente para suprimir a transmissão do novo coronavírus.

Já especialistas em saúde defendem que, mesmo após vacinados, os cidadãos necessitam de usar máscara e evitar aglomerações.

De acordo com dados recolhidos por um consórcio da imprensa brasileira, até quinta-feira, 11,11% da população brasileira tinha recebido a dosagem completa da imunização contra a doença e 24,93% apenas a primeira dose.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.