O ministro da Saúde britânico, Sajid Javid, informou ontem que teve um teste positivo ao novo coronavirus, apesar de ter recebido as duas doses da vacina contra a covid-19, apresentando apenas sintomas leves.

Entretanto, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e o ministro das Finanças, Rishi Sunak, informaram que iriam cumprir o isolamento profilático de forma parcial, porque iam participar “num programa-piloto de despistagem diária”, o que lhes permitiria que continuar a trabalhar em Downing Street.

As críticas não tardaram e ambos foram obrigados a recuar nas suas intenções e a cumprir o isolamento.

Isto acontece um dia antes do “freedom day”, nome que a imprensa britânica está a dar ao dia em que o Reino Unido pretende deixar cair as restrições relacionadas com o controlo da pandemia.

O Reino Unido é um dos países mais afetados da Europa pela covid-19, com mais de 128.000 mortos, e onde os contágios têm subido nas últimas semanas, ultrapassando os 54.000 casos no sábado.

Apesar destes números, Boris Johnson anunciou o levantamento de quase todas as restrições em Inglaterra a partir de segunda-feira, incluindo o uso de máscara ou o distanciamento social, preferindo confiar na “responsabilidade individual” de cada um.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.