O chefe de Estado argentino, que dirige temporariamente o Mercosul (bloco de livre comércio fundado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) disse numa visita oficial a Brasília que ele e Michel Temer discutiram uma aproximação com blocos comerciais da região e o México.

“Trabalhamos por uma aproximação [do Mercosul] com a Aliança do Pacífico e também com o México (…) Desejamos que nesta mudança de cenário o México comece a olhar para o sul com maior decisão. Falei com o Presidente [Enrique] Peña Nieto para saber como estão as coisas e disse a ele que estamos abertos para aprofundar o diálogo e cooperar”, frisou Mauricio Macri.

O Presidente brasileiro, por sua vez, aproveitou para anunciar acordos de cooperação com a Argentina e comentou que os dois países têm hoje o mesmo desafio de “promover o crescimento económico e da criação de empregos”.

Nas últimas décadas, a Argentina tem sido um dos principais parceiros comerciais do Brasil.

Em 2016, a soma das exportações e importações entre o Brasil e a Argentina atingiu 22,5 mil milhões de dólares (21,4 mil milhões de euros), com um excedente de 4,3 mil milhões de dólares (4 mil milhões de euros) para o Brasil, segundo informações divulgadas pelo Palácio do Planalto.

As empresas brasileiras venderam para a Argentina, no ano passado, principalmente automóveis de passageiros (25% do total das exportações), veículos de carga (8,8%) partes e peças de veículos (6,5%), e outros produtos manufaturados (4,7%).

Antes de encerrar a visita oficial com duração de apenas um dia, Maurício Macri será recebido no Congresso Nacional pelos presidentes do Senado (câmara alta parlamentar) e da Câmara dos Deputados (câmara baixa) e pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.