Depois de participar no debate das rádios, Catarina Martins e a restante comitiva do BE rumaram até Portimão, Algarve, para uma viagem de comboio.

“O PS tem toda a legitimidade de querer uma maioria absoluta, acho que faz mal em queimar todas as pontes à sua volta, mas eu cá estarei, no dia a seguir às eleições, para abrir as portas necessárias para um novo ciclo em Portugal”, respondeu aos jornalistas quando questionada sobre o posicionamento do PS nesta campanha eleitoral.

De acordo com a líder do BE, este novo ciclo passa “pela resposta climática e pela ferrovia”, como pretendeu assinalar com esta ação de campanha, “mas também pelo salário, pela saúde, pela pensão”, as questões fundamentais que permitirão ao país “sair da insegurança e recuperar do atraso em que está.

“A direita não trará soluções e toda a gente sabe que o Bloco de Esquerda fará frente a qualquer solução de direita, mas não se pode fazer de conta que está tudo bem. Nós temos no país muitas dificuldades e elas devem ser enfrentadas”, defendeu.

Segundo Catarina Martins, “o PS querer ficar isolado não dará nenhuma solução, mas o BE cá estará com a força que tiver e reforçado para abrir essas portas”.

“Não vale a pena estarmos sempre a discutir o mesmo. O PS quer uma maioria absoluta, fez tudo para ter uma maioria absoluta, está nas eleições para ter uma maioria absoluta”, respondeu, perante a insistência dos jornalistas na falta de disponibilidade do partido liderado por António Costa para uma convergência de esquerda.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.