O presidente democrata-cristão, Francisco Rodrigues dos Santos, declarou ao mesmo jornal semanário que “a continuidade em funções” daquela responsável pela tutela “é uma questão de saúde pública – que se mantenha em férias e dê lugar a outro”.

Segundo o líder centrista, as declarações da ministra são “afirmações que parecem retiradas de um filme de terror” e “Portugal não tem uma ministra da Solidariedade Social, tem uma ministra da Insensibilidade Social”.

O deputado único do Chega, André Ventura, entregou no parlamento um requerimento para que Ana Mendes Godinho dê explicações a propósito da tragédia ocorrida no lar de Reguengos de Monsaraz, Évora, onde morreram 18 idosos.

“Para além da absoluta incúria e negligência na fiscalização das entidades que deveriam estar na linha da frente na prevenção do contágio e disseminação da covid-19, a governante (…) revelou frieza, desinteresse e uma enorme negligência” e não reúne, assim, quaisquer condições para continuar no exercício do cargo”, lê-se em comunicado do partido populista de direita.

Entretanto, o PSD também decidiu chamar a ministra do Trabalho e a da Saúde ao parlamento, com caráter de urgência, “para explicarem o sucedido”.

Na entrevista, Ana Mendes Godinho admitiu falta de funcionários nos lares, lembrando que há um programa para colmatar essa falha, mas considerou que a dimensão dos surtos de covid-19 “não é demasiado grande em termos de proporção”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.