Segundos depois entra na sala Assunção Cristas, a última a chegar, como uma noiva, não fosse este o dia do divórcio. No pavilhão, já mais de meio cheio, perto de 700 pessoas, o aplauso vai subindo de tom, à medida que os congressistas percebem quem acabou de chegar.

São 11:38 quando a líder fala pela primeira vez: "[...] Cumpre-me hoje reconhecer uma evidência: falhei o resultado. Falhei porventura a análise das possibilidades que se abriam com as novas circunstâncias políticas e os resultados ficaram muito aquém das minhas e das vossas expectativas".

Assunção Cristas agradece a todos, faz um mea-culpa, fala na matriz do CDS, na carta de princípios alicerçada na democracia-cristã, e cita o consolo das palavras do Papa Francisco - "a política pode tornar-se verdadeiramente uma forma eminente de caridade".

Agora, e já depois do minuto de silêncio por Freitas do Amaral, começa um novo ciclo no CDS: cinco candidatos à liderança e doze moções serão apresentados ao congresso. Noventa e oito congressistas terão a palavra, numa discussão que se alongará e só terminará por volta das duas horas da manhã, deixando o tempo exacto para a elaboração, verificação e impressão das listas. A votação começará às nove da manhã e à hora de almoço o CDS terá um novo líder.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.