Os deputados centristas justificam a pergunta enviada ao Ministério da Agricultura com várias notícias dos últimos dias sobre a preparação pelo Governo de legislação para passar a posse de terras abandonadas para as autarquias, sendo que Capoulas Santos já havia anunciado a criação de um "banco de terras" em dezembro de 2015, de acordo com o programa eleitoral do PS.

Em 2012, o anterior Governo criou legislação para uma bolsa de terras, que em maio de 2014 tinha cerca de 13 mil hectares, dos quais 90% eram do Estado e de outras entidades públicas e dos quais, no final do mesmo ano, cerca de 2 mil hectares tinham sido cedidos em concurso, expõe o CDS.

"Em que difere o anunciado banco de terras da já existente bolsa de terras?", questionam.

Os centristas interrogam o ministro sobre se esta "dupla estrutura, mesmo que complementar à existente, irá dispersar a informação e colocar em risco todo o esforço dos últimos quatro anos de bolsa de terras".

Foi igualmente criada legislação para que as terras sem dono que não estivessem a ser usadas para fins agrícolas, florestais ou silvopastoris pudessem vir a integrar a bolsa, lembra o CDS numa outra pergunta em que questiona o Governo sobre as diligências tomadas para identificar as terras.

Os deputados centristas questionam Capoulas Santos sobre o financiamento da gestão e exploração destas terras sem dono conhecido pelas autarquias, tendo em conta as suas recentes declarações sobre "restrições orçamentais como a principal limitação ao reforço do número de equipas de sapadores florestais".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.