Esta posição foi assumida por António Costa em entrevista à Rádio Renascença, que durou cerca de 55 minutos e que foi conduzida pelas jornalistas Graça Franco e Raquel Abecasis.

De acordo com António Costa, Mário Centeno seria "certamente um excelente presidente do Eurogrupo", a sondagem que lhe foi feita "é prestigiante para ele próprio e para o país", mas o Governo português "não tem como prioridade" essa candidatura.

"Nesta fase, é útil que o ministro das Finanças de Portugal tenha uma margem de liberdade de movimentação maior no quadro do Eurogrupo. Quem tem a presidência possui uma limitação acrescida - ou deveria ter, embora esse não seja o caso atual [com o holandês Jeroem Dijsselbloem], porque tem de ser um fator de unidade entre todos os ministros das Finanças", alegou o líder do executivo.

Para António Costa, num momento em que Portugal ainda tem vários "dossiers" a negociar no quadro do Eurogrupo, deter ali a presidência "não é uma prioridade".

"[Mário Centeno] seria um excelente presidente do Eurogrupo, mas há mais marés do que marinheiros. Essa não é uma prioridade que nós coloquemos no âmbito das nossas candidaturas internacionais", acrescentou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.