A doença é caracterizada é pela "deficiência numa enzima" que "provoca a acumulação de lípidos em vários órgãos" e, segundo o comunicado do CHMA enviado à agência Lusa, a terapêutica "consiste na perfusão intravenosa, sob condições de vigilância e monitorização, da enzima deficitária, estabilizando a doença e melhorando significativamente a qualidade de vida dos doentes".

Com um "processo de diagnóstico complexo", apenas "um número restrito de centros hospitalares no país" efetua atualmente o seu acompanhamento, enfatiza o CHMA.

Até 2017, estes doentes “tinham o seu tratamento restrito a Centros de Referência", acabando o Serviço de Cardiologia do CHMA por "tornar possível os tratamentos na proximidade da área de residência dos doentes", refere a nota de imprensa.

Os primeiros tratamentos "iniciaram-se este mês, no Hospital de Dia da Unidade de Santo Tirso".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.