O exercício “Cold Response 2022” (“Resposta Fria 2022”) – que já estava previsto antes de a Rússia ter invadido a Ucrânia no final de fevereiro – tem como principal finalidade averiguar a capacidade de a Noruega receber contingentes de outros países na eventualidade de haver uma agressão de um país terceiro, no âmbito do Artigo 5.º da Carta da NATO, que obriga os Estados-membros a socorrerem outros pertencentes à mesma organização.

“É um exercício defensivo (…). Não é uma operação militar com um propósito ofensivo”, declarou o general norueguês Yngve Odlo, responsável pelas operações, citado pela France-Presse (AFP).

Estas manobras militares — terrestres, marítimas, anfíbias e aéreas — são organizadas a cada dois anos em grandes porções do território da Noruega, país que tem a Rússia como um dos países vizinhos.

O exercício envolve 200 aeronaves e cerca de 50 navios e vai prolongar-se até 01 de abril.

Este ano Moscovo recusou o envio de observadores.

“O fortalecimento das capacidades militares da NATO perto das fronteiras com a Rússia não contribui para fortalecer a segurança da região”, comentou a embaixada russa em Oslo, capital norueguesa, na semana passada.

Face a esta posição, o responsável pelas operações da NATO neste exercício disse esperar do Kremlin respeito pelos acordos vigentes.

Assim como aconteceu em edições anteriores, o “Cold Response 2022” acolhe a presença da Suécia e da Finlândia, que não pertencem à NATO, mas aproximaram-se da organização nos últimos anos. A invasão à Ucrânia reavivou o debate sobre uma possível adesão.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.