Os chefes das urgências apresentaram demissão no final de outubro por considerarem que não estão “presentemente asseguradas as condições mínimas de segurança na maior parte dos turnos de SUG para os utentes que recorram a este serviço, nem para os profissionais que integram esta escala”.

Os signatários da carta de demissão apontam também “erros de escala, faltas de comparecimento de prestadores escalados e as escalas completadas com internos mais novos, maioritariamente internos da formação geral, muitas vezes apenas em regime parcial”.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a administração do HGO, no distrito de Setúbal, garante que os chefes de equipa mantêm-se em funções até serem substituídos e “que os seus profissionais continuam a prestar os melhores cuidados à população que servem”.

“O diálogo com as chefias é constante e o Conselho de Administração do HGO tem colmatado os constrangimentos identificados pelos profissionais, implementando um conjunto de medidas para melhorar e otimizar o funcionamento do SUG”, refere o conselho de administração.

Na nota, o HGO destaca a criação, este ano, de uma equipa fixa de urgência, composta por quatro internistas, a funcionar nos dias úteis, das 09:00 às 17:00, e a retoma do funcionamento do Serviço de Urgência Verdes e Azuis, como forma de diminuir a pressão do SUG e garantir, simultaneamente, melhor resposta às situações verdadeiramente urgentes e emergentes.

Por outro lado, adianta que acresce a abertura do Serviço de Observação de Psiquiatria destinado a doentes com patologia do foro da saúde mental, que permite, igualmente, aliviar a pressão nas equipas.

No mesmo comunicado, o HGO apela à utilização racional dos serviços de urgência para facilitar o acesso de utentes que se encontrem em situação grave, emergente e urgente, indicando à população de Almada e do Seixal que, em caso de doença aguda, contacte primeiro a linha SNS 24 (808 24 24 24), que se aconselhe com o médico assistente ou contacte o seu Centro de Saúde, para uma assistência de maior proximidade.

Quanto aos utentes sem médico de família, o hospital refere que poderão recorrer às Vias Verdes Almada e Seixal.

A resposta do hospital surge depois de a Ordem dos Médicos ter classificado como “muito grave” a situação na urgência do HGO.

Em comunicado, o presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos (OM) manifestou-se preocupado com a situação, referindo que esteve reunido na terça-feira com a administração do hospital na sequência da demissão dos chefes de equipa de urgência.

Paulo Simões reuniu-se também com os chefes de equipa de urgência e com os representantes da Comissão de Internos e disse que, dessas reuniões, “saiu uma forte preocupação com a situação no serviço de urgência, que funciona com equipas abaixo dos mínimos estabelecidos pela Ordem dos Médicos e com o recurso excessivo a médicos internos”.

Esta situação, adianta a OM, prejudica a qualidade da medicina prestada às populações e a formação dos internos.

À administração do Hospital Garcia de Orta, em Almada, no distrito de Setúbal, Paulo Simões diz ter alertado também para o risco de a assistência aos doentes poder falhar a qualquer momento.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.