Trump ameaçou na segunda-feira cortar definitivamente a contribuição dos Estados Unidos para OMS, suspensa desde abril depois de Trump criticar a forma como a organização geriu a pandemia de covid-19 e acusá-la de ceder às pressões da China.

Questionado sobre a ameaça, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhao Lijian, considerou que ela tem por objetivo “manchar os esforços da China no combate à epidemia” para não enfrentar as suas próprias responsabilidades.

O porta-voz exortou Washington a “deixar de lançar a culpa” para a China e a concentrar-se antes a combater o novo coronavírus, cujo epicentro é neste momento nos Estados Unidos, que registam mais de 1,5 milhões de infetados e 90.000 mortes.

Donald Trump acusou na segunda-feira a OMS de ser “uma marioneta da China” e divulgou no Twitter uma carta que enviou ao diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, ameaçando tornar permanente o congelamento temporário de contribuições dos Estados Unidos.

O orçamento da OMS é fixado por períodos de dois anos. Em 2018 e 2019 ascendeu a 5,62 mil milhões de dólares (5,1 mil milhões de euros).

Os Estados Unidos são o maior contribuinte para o orçamento desta agência da ONU, com 553,1 milhões de dólares naquele período, entre contribuições obrigatórias e voluntárias, que comparam com 7,9 milhões de dólares pagos pela China.

Surgido em dezembro na China, o SARS-CoV-2 já infetou 4,7 milhões de pessoas em todo o mundo, quase 316 mil das quais morreram, segundo um balanço de hoje da agência AFP.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.