A participação da China nos exercícios conjuntos “não tem relação com a atual situação internacional e regional”, apontou o ministério, em comunicado.

A mesma fonte indicou que estes exercícios visam aprofundar a “cooperação pragmática” entre os países, melhorar o nível de “colaboração estratégica” entre os participantes e fortalecer a capacidade de resposta a várias ameaças à segurança.

As manobras, designadas “Vostok 2022” (Leste 2022) vão ser realizadas em território russo, entre 30 de agosto e 5 de setembro.

Soldados do Exército de Libertação Popular, as Forças Armadas chinesas, Índia, Bielorrússia, Tajiquistão e Mongólia, entre outros países, vão participar nos exercícios, que se realizarão em treze locais, segundo a Rússia.

Este anúncio ocorre dois dias após o Exército chinês realizar novamente manobras militares em torno de Taiwan. As manobras intensificaram-se após a visita à ilha da líder do Congresso dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, considerada por Pequim como farsa e traição.

Pequim considera Taiwan uma província sua, apesar de a ilha atuar como entidade política soberana. A visita de Pelosi foi, por isso, vista por Pequim como uma violação da soberania da China.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.