“Pedimos a todas as partes envolvidas que evitem que a crise transborde e protejam os direitos e interesses legítimos dos países em desenvolvimento”, disse Wang Yi.

“A prioridade é facilitar as negociações de paz”, sublinhou o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, pedindo uma “resolução pacífica da crise ucraniana” através de “discussões justas e pragmáticas”.

A China é oficialmente neutra quanto ao conflito, mas tem sido acusada pelos ocidentais de ser muito conciliadora com a Rússia, embora as autoridades dos Estados Unidos tenham expressado esperanças, após as declarações de Pequim esta semana na ONU.

O ministro chinês também se reuniu em Nova Iorque com o seu colega ucraniano Dmytro Kouleba, assegurando-lhe que Pequim pediu respeito pela “integridade territorial de todos os países”.

“A solução fundamental é abordar as preocupações legítimas de segurança de todas as partes e construir uma arquitetura de segurança equilibrada, eficaz e sustentável”, disse hoje Wang Yi.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.