Em comunicado, o Ministério da Administração Interna (MAI), tutelado por José Luís Carneiro, refere que foram constituídas 96 equipas, compostas por 480 elementos dos corpos de bombeiros, que estarão “em maior prontidão neste período, para reforçar a capacidade de ataque inicial a incêndios rurais”.

“A decisão de constituição do dispositivo excecional assentou nas temperaturas elevadas que se verificam em vários pontos do território continental, associadas à situação de seca provocada por valores de precipitação muito abaixo da média”, justifica a tutela.

Assim, refere ainda a nota do MAI, estas equipas serão “implementadas por ordem do Comando Operacional Nacional de Emergência e Proteção Civil nos Comandos Sub-regionais sujeitos a maior pressão de número de ignições e da evolução do cenário meteorológico.”

“Este dispositivo excecional soma-se ao que já estava no terreno, porque o país encontra-se presentemente no nível de empenhamento permanente do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais”, acrescenta.

De acordo com números divulgados pelo Governo, no período compreendido entre 1 de janeiro deste ano e o dia 7 de abril foram registados 1810 incêndios rurais, resultando em 6.614 hectares de área ardida, entre povoamentos florestais (1.575 hectares), matos (4.965 hectares) e agricultura (74 hectares).

Estes dados, apurados até ao dia 7 de abril, representam o 6.º valor mais elevado em número de incêndios e o 5.º mais alto de área ardida desde 2013.

Na segunda-feira, em declarações aos jornalistas à saída da inauguração da esquadra da PSP de Matosinhos, o ministro José Luís Carneiro advertiu que 2023 será “ainda mais difícil” do que 2022 no combate aos incêndios florestais, pedindo às pessoas e às instituições para se prepararem.

O ministro vincou que o Estado Português, a Proteção Civil e as autarquias estão a procurar fazer a sua parte, mas todos têm de contribuir porque 55% dos incêndios que deflagraram em 2022 deveram-se a negligência.

A área ardida nos incêndios de 2022 foi mais do triplo da área ardida em 2021, tendo os incêndios rurais consumido até ao final de setembro 109.514 hectares, o valor mais elevado desde 2017, segundo dados divulgados em outubro pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.