O executivo comunitário propôs hoje uma diretiva (lei comunitária) que define novos crimes ambientais, determina um nível mínimo para as sanções e reforça a eficácia da cooperação policial, segundo um comunicado.

As novas regras preveem, além de penas de prisão e multas, sanções acessórias, tais como a retirada de licenças, desqualificações e exclusão do acesso ao financiamento público.

A diretiva sobre crime ambiental estipula, por exemplo, que as violações graves da legislação sobre espécies exóticas invasoras devem ser consideradas crime, bem como o comércio ilegal de madeira e a reciclagem ilegal de navios, passam a ser consideradas crimes ambientais.

A captação ilegal de águas subterrâneas ou superficiais e as violações graves da legislação da UE sobre produtos químicos, entre outras práticas contra o ambiente, também serão criminalizadas.

A proposta legislativa será submetida à aprovação do Conselho da União Europeia e do Parlamento Europeu.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.