A comissão eleitoral holandesa confirmou que o partido de Geert Wilders, o Partido da Liberdade (PVV, na sigla em neerlandês), obteve 37 dos 150 lugares na câmara baixa, uma vitória da extrema-direita que provocou ondas de choque em todo o país e além das suas fronteiras.

As atenções estão agora viradas para a possibilidade de Wilders conseguir formar um governo de coligação e tornar-se o primeiro chefe de governo de extrema-direita do país, apesar de as conversações iniciais se terem revelado tempestuosas.

No sistema político holandês, altamente fragmentado, em que nenhum partido é suficientemente forte para governar sozinho, as eleições são normalmente seguidas de meses de negociações para se chegar a uma coligação.

Após as eleições, Wilders declarou-se favorável a uma coligação com o partido pró-reforma Novo Contrato Social (NSC, 20 lugares), o Movimento dos Agricultores-Cidadãos (BBB, sete lugares) e o Partido Popular para a Liberdade e a Democracia (VVD, 24 lugares), de centro-direita, de que é originário o primeiro-ministro cessante Mark Rutte.

O PVV precisa de 76 lugares para formar uma coligação estável e a comissão eleitoral confirmou que os quatro partidos reunidos poderão fazê-lo sem problemas.

O partido de Wilders deverá poder contar com o BBB, que nasceu dos protestos do setor agrícola contra os planos do governo para reduzir as emissões de azoto e que saiu vencedor nas eleições provinciais de março, tornando-se o maior partido no Senado.

Mas para ter uma maioria, Wilders precisa também do VVD e do NSC, criado no verão passado pelo popular deputado Pieter Omtzigt. No entanto, até à data, estes dois partidos têm-se recusado a entrar em negociações.

O VVD, liderado por Dilan Yesilgöz, teve uma noite eleitoral dececionante, conquistando apenas 24 lugares, contra os 34 nas eleições gerais anteriores.

Dilan Yesilgöz afirmou com assertividade que o seu partido não se juntaria a uma coligação liderada por Wilders, argumentando que os eleitores tinham deixado claro que o VVD não devia continuar a governar.

No entanto, disse estar disposta a “apoiar” uma coligação de centro-direita, mencionando a possibilidade de apoiar Wilders no hemiciclo para aprovar legislação com a qual o VVD concorde.

Depois de ter rejeitado a possibilidade de uma coligação com Wilders durante a campanha eleitoral, Omtzigt mostrou-se mais recetiva após as eleições. Mas, por sua vez, desferiu um golpe no PVV esta semana, dizendo temer que os compromissos assumidos no manifesto do partido não respeitem a Constituição.

Wilders atenuou a sua retórica inflamada islamofóbica e anti-imigração durante a campanha, mas o seu manifesto apela à proibição das mesquitas e do Corão, bem como a um referendo sobre a saída da União Europeia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.