Por meio das redes sociais, os manifestantes reuniram-se como é habitual na Plaza Italia, o centro de protestos desde o início dos protestos dos cidadãos contra o Governo de direita Sebastián Piñera.

Como aconteceu há uma semana, quando eclodiram violentos confrontos entre a polícia e os manifestantes, a polícia antimotim assumiu o controlo da praça a meio da tarde (noite em Lisboa), procurando dispersar a multidão com jatos de água e gás lacrimogéneo.

Mas depois de quase duas horas de confrontos e depois de um incêndio num centro cultural próximo, milhares de manifestantes finalmente conseguiram chegar ao centro da praça, noticiou a agência de notícias France-Presse.

O movimento de protesto social que abalou o Chile desde 18 de outubro é o mais grave desde o regresso à democracia em 1990, resultando em 26 mortos e milhares de feridos.

Um aumento no preço dos bilhetes do metropolitano na capital foi o detonador da revolta social sem precedentes contra o Governo do Presidente, Sebastian Pinera. Apesar da suspensão da medida, o movimento cresceu, alimentado pelo ressentimento diante das desigualdades sociais.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.