Estas situações de eleitos do PCP para cargos públicos que não terão entregado ao partido o diferencial entre o salário pelo exercício do lugar político e a remuneração que auferem na respetiva carreira profissional foram mencionados pelo dirigente Raimundo Cabral perante o XXI Congresso do PCP.

No Congresso do PCP, em Loures, distrito de Lisboa, coube a Raimundo Cabral proceder à apresentação do relatório de atividades da Comissão Central de Controlo, órgão que tem como principais missões a fiscalização da legalidade estatutária e das contas do partido.

Na parte referente ao cumprimento dos estatutos por parte de eleitos do PCP para lugares públicos, em que se impõe que não sejam beneficiados nem prejudicados em relação à sua carreira profissional, Raimundo Cabral começou por salientar que essa "é uma bandeira dos comunistas no exercício do poder, marcando a diferença" face a outras forças políticas.

"A Comissão Central de Controlo do PCP destaca aspetos positivos no cumprimento desta norma estatutária, mas não pode deixar de referir que detetou casos de incumprimento que não devem ser menosprezados e que exige uma continuada atenção por parte de todo o partido", defendeu.

Em seguida, Raimundo Cabral destacou "passos positivos" no que respeita à participação de membros do partido nas mesas de voto em atos eleitorais e o facto de haver organizações em que os participantes entregam ao partido as senhas de presença.

"Mas em muitas organizações existem dificuldades na concretização desta prática, verificando-se muitas incompreensões e resistências", acrescentou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.