“Se há uma mensagem do resultado desta noite é o seguinte: a primeira-ministra convocou a eleição porque ela queria um mandato. Mas o mandato que tem é perda de assentos, é perda de votos, é perda de apoio e perda de confiança. Penso que é suficiente para se ir embora e dar lugar a um governo que seja representativo das pessoas deste país”, afirmou em Islington, após o anúncio da sua reeleição para deputado - com 40.086 votos, uma larga margem para o segundo classificado  naquele círculo, o trabalhista James Clark, com 6.871 votos.

“Vamos aguardar o resto dos resultados, mas garanto o seguinte: no novo parlamento, faremos tudo para assegurar que o que dissemos nesta campanha e está no nosso programa eleitoral é apresentado ao parlamento para que este país seja diferente e se torne fundamentalmente um sítio melhor”, vincou.

Corbyn foi reeleito pela nona vez com 40.086 votos no círculo eleitoral de Islington North, com uma vantagem de 33.215 face ao segundo classificado, o conservador Toby Clarke.

Foi o maior número de votos alguma vez obtido por um candidato neste círculo eleitoral e a participação a mais elevada desde 1951.

“A política mudou e não vai voltar para a caixa onde estava. As pessoas disseram que estão fartas da austeridade, dos cortes nos serviços públicos. Estou muito orgulhoso que o meu partido fez e do meu programa ‘para muitos, não para poucos’", disse o líder trabalhista.

As projeções indicam uma queda dos conservadores, que detinham uma maioria absoluta, mas ainda não existem certezas quanto ao resultado final.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.