"Deixarei que a minha saída e uma redução do tempo de meu mandato seja o que a Assembleia Nacional decidir", afirmou a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-Hye, num discurso. "Quando os parlamentares determinarem as condições de uma transferência que minimize o vazio de poder e o caos na gestão governamental, sairei", disse a presidente no discurso transmitido na TV.

O anúncio inesperado é interpretado como uma tentativa da presidente, cuja popularidade desabou por causa do escândalo de corrupção, de evitar a humilhação de um processo de destituição.

O escândalo político tem no centro da história a amiga e ex-confidente da presidente, Choi Soon-Sil, detida por ter utilizado a sua relação com Park para extorquir dinheiro às grandes empresas sul-coreanas. A presidente é suspeita de "conivência" pelos promotores públicos que investigam o caso.

Desde que o escândalo explodiu, a cada sábado são organizadas grandes manifestações em todo o país com pedidos de renúncia da presidente.

Antes do discurso de Park, vários parlamentares afirmaram que esperavam votar a destituição da presidente na próxima sexta-feira. Vários deputados fiéis do partido do governo apoiam a medida proposta pela oposição. Em caso de aprovação pela Assembleia Nacional, a destituição da presidente precisa de ser posteriormente validada pelo Tribunal Constitucional. Enquanto decorrer o processo de decisão do Tribunal Constitucional, a presidente será afastada do cargo e o primeiro-ministro assumirá de forma interina a função presidencial.

"Esperamos votar a destituição esta semana", declarou Woo Sang-Ho, líder da bancada do Partido Democrático, principal força da oposição. Park Jie-Won, presidente do Partido do Povo, que é o segundo maior partido da oposição, afirmou também que a Assembleia Nacional decidirá na sexta-feira a destituição de Park.

Há alguns dias, a presidente Park tinha já pedido desculpas pelo caso, mas descartado, na altura, a possibilidade de renunciar ao mandato.

Na Coreia do Sul, um presidente em exercício não pode ser processado por uma questão penal, exceto no caso de traição ou insurreição. Mas a imunidade presidencial acaba ao final do mandato. Alguns analistas afirmaram que Park estará a tentar negociar a renúncia em troca da promessa de não ser julgada. Num primeiro momento, Park aceitou ser interrogada pelos promotores públicos e por uma comissão independente do Parlamento. Mas há dois dias mudou de opinião e o seu advogado rejeitou as datas de interrogatório propostas pelo Ministério Público.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.