Regressado da Madeira,  o secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, escolheu o Alentejo e Algarve para o quarto dia de campanha oficial, com uma visita a uma empresa de hidroponia e a um café em Beja e um encontro com eleitores na escola de turismo em Faro.

Já o presidente do PSD, continua na região Centro e começa o dia com uma ação de contacto com a população e comércio local na Guarda, seguindo depois para uma ação semelhante em Viseu, já da parte da tarde, onde participa também numa sessão temática sobre educação e demografia.

A caravana bloquista arranca em Setúbal, com uma visita ao quartel de bombeiros em que a coordenadora do BE, Catarina Martins, estará acompanhada de Joana Mortágua. À tarde, participa numa arruada em Lisboa com Mariana Mortágua e já há noite tem marcado um comício em Torres Novas.

Quem vai estar também em Setúbal durante a manhã é o presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, com uma visita o mercado do Livramento, de onde segue para um almoço no Seixal.

Já durante a tarde, participa numa conferência sobre a reforma eleitoral, na sede do partido em Lisboa, num encontro com jovens no Mercado de Culturas, terminando o dia com um jantar também em Lisboa.

Pela CDU, é João Oliveira quem está agora ao comando da campanha, depois de João Ferreira ter testado positivo à covid-19 na terça-feira. O candidato por Évora vai estar com trabalhadores de uma empresa em Castanheira do Ribatejo e termina o dia com um comício em Loures.

Inês Sousa Real, porta-voz do PAN, andará à tarde por Évora, onde tem agendada uma visita ao canil municipal, seguida de uma ação de contacto com a população no centro da cidade.

Com a agenda completa, o presidente da Iniciativa Liberal, João Cotrim de Figueiredo, visita o aeroporto de Lisboa numa ação dedicada ao tema da TAP e depois do almoço faz um viagem de cacilheiro entre o Cais do Sodré e Cacilhas.

Já em Almada, visita o Hospital Garcia de Orta para falar sobre saúde regressando de autocarro a Lisboa pelas 17:30.

André Ventura, do Chega, faz campanha em Aveiro, com uma arruada à tarde, e o último destino do dia da caravana é a Guarda, onde o partido organiza um jantar-comício.

Rui Tavares, cabeça de lista do Livre pelo círculo eleitoral de Lisboa, tem apenas prevista uma visita às Salinas do Samouco, em Alcochete, logo pelas 09:30.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, dissolveu o parlamento e convocou eleições legislativas antecipadas para 30 de janeiro na sequência do chumbo do Orçamento do Estado para 2022 na generalidade, que teve apenas votos a favor do PS e a abstenção do PAN.

Esta é a 17.ª vez que os portugueses são chamados a votar em legislativas em democracia, contando com as eleições para a Assembleia Constituinte, em 1975.

Além de PS, PSD, BE, CDU (PCP/PEV), CDS-PP, PAN, Chega, Iniciativa Liberal e Livre - partidos que conseguiram representação parlamentar nas legislativas de outubro de 2019 -, concorrem às eleições de 30 de janeiro outras 12 forças políticas, num total de 21.

Os outros partidos concorrentes são: Aliança, Ergue-te (ex-PNR), Alternativa Democrática Nacional (ex-PDR), PCTP-MRPP, PTP, RIR, MPT, Nós, Cidadãos!, MAS, JPP, PPM e Volt Portugal, que se estreia em legislativas.

Mais de 10 milhões de eleitores residentes em Portugal e no estrangeiro constam dos cadernos eleitorais para a escolha dos 230 deputados à Assembleia da República.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.