Em causa estão dois funcionários da base norte-americana no atol de Kwajalein, que viajavam a bordo de um avião militar proveniente do Havaí.

Os dois funcionários, um homem de 46 anos e uma mulher de 35, que já tinha sido infetada em julho, tiveram resultado positivo nos testes ao novo coronavírus realizados à chegada, na terça-feira.

O Governo do pequeno país do Pacífico, com 78 mil habitantes, garantiu que não tiveram contacto com a população local e permanecem em quarentena, obrigatória para os membros da base militar norte-americana provenientes do exterior.

A meio caminho entre a Austrália e o Havaí, as Ilhas Marshall fecharam as fronteiras no início de março, para travar a pandemia.

Em junho, passaram a permitir a entrada de algumas categorias de pessoas, incluindo militares norte-americanos, obrigados no entanto a fazer quarentena durante três semanas.

Outras nações do Pacífico, com sistemas frágeis de saúde, fecharam igualmente a entrada a estrangeiros.

As ilhas e territórios de Kiribati, Micronésia, Nauru, Palau, Samoa, Tonga, Tuvalu e Vanuatu continuam sem ser afetados pela doença, enquanto as ilhas Salomão diagnosticaram o primeiro caso em outubro.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.