"Creio que o assunto vai ser revertido de imediato. Se não o for, vou apresentar uma queixa-crime contra a instituição e os seus responsáveis e um pedido de indemnização cível", afirmou, em declarações à Lusa.

Pedro Machado contou que funcionários daquela instituição de ensino superior, no Porto, terão entrado nas salas de aulas e perguntaram aos alunos quem era de Felgueiras e de Lousada, indicando que os visados "teriam de ir para casa".

"Isso aconteceu ontem e é de uma gravidade atroz. Acabei de enviar [uma comunicação] ao senhor reitor, com conhecimento à tutela, manifestando a minha indignação", assinalou o presidente da câmara, considerado que se trata de "um ato que deve envergonhar essa instituição do ensino superior".

Lousada e Felgueiras, no distrito do Porto, viram a suas escolas e outros equipamentos públicos e privados encerrados na segunda-feira, por determinação da Direção-Geral de Saúde, como medida para evitar a propagação dos casos de infeção por Covid-19 confirmados nos dois municípios.

O autarca admitiu hoje que o país está a "viver momentos muito difíceis", mas assinalou a importância se ser mantida a serenidade.

"Lousada não está de quarentena, não está em isolamento, as medidas tomadas foram preventivas, de precaução. Isso não legitima ninguém, muito menos uma instituição como uma universidade, a tomar este tipo de medidas", declarou.

A Lusa contactou a Universidade Lusíada, no Porto, para obter uma reação.

O estabelecimento de ensino remeteu para um comunicado posterior sobre o assunto.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.