“Temos mais duas empresas a querer produzir máscaras, a pedir referencias técnicas para muito rapidamente começar a produzir máscaras”, revelou o chefe do gabinete da Câmara do Porto, Nuno Santos, aos jornalistas.

Nuno Santos lembrou que em Portugal havia, até aqui, apenas uma fábrica a produzir máscaras deste tipo, tendo passado a duas, com a parceria da autarquia com um empresário de Campanhã que se disponibilizou para produzir aquele material de proteção individual.

A Câmara do Porto anunciou na terça-feira que, em colaboração com uma empresa local, ia iniciar “imediatamente” a produção de máscaras de proteção pessoal, do tipo cirúrgico, admitindo que, além dos funcionários municipais, as mesmas pudessem ser distribuídas a bombeiros, empresas de transporte e à rede social.

Em declarações aos jornalistas, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, avançava ainda que aquela unidade, com cerca de 20 funcionários, está já a produzir 1.000 unidades por dia.

“Tivemos hoje a informação que, caso seja possível adquirir uma máquina existente no Japão, é possível quadruplicar ou quintuplicar essa capacidade, portanto, estamos a fazer isso”, afirmou.

Numa nota publicada na terça-feira na sua página oficial, o município admitia que a produção destinada a alimentar as necessidades dos funcionários municipais pudesse vir a ser distribuídos a hospitais, bombeiros e à rede social, caso estes venham a escassear e a entrar em rotura.

“Desta forma, a Câmara do Porto evita pagar preços especulativos (que já se praticam no mercado em materiais importados) e espera poder ajudar a proteger também os muitos voluntários que em instituições de solidariedade ou bombeiros voluntários estão nesta altura a ficar expostos à doença. É também uma forma de manter uma unidade fabril da área do Porto em funcionamento e a economia a funcionar, substituindo importação por produção nacional”, salienta em comunicado.

Portugal regista já duas mortes de pessoas infetadas com o novo coronavírus até agora, de acordo com o segundo boletim epidemiológico da pandemia da Covid-19 divulgado hoje.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje o número de casos confirmados de infeção para 642, mais 194 do que os contabilizados na terça-feira. No entanto, este número baseia-se na confirmação de três casos positivos nos Açores, mas a Autoridade de Saúde Regional, contactada pela Lusa, sublinhou serem dois os casos positivos na região e adiantou estar em contactos para se corrigir a informação avançada pela DGS, baixando assim para 641.

De acordo com a informação divulgada sobre a situação epidemiológica de Covid-19 em Portugal, desde 1 de janeiro foram registados 5.067 casos suspeitos.

Segundo a DGS, há 351 (eram 323) casos a aguardar resultado laboratorial e três casos recuperados.

A região Norte é aquela que regista o maior número de casos confirmados (289), seguida de Lisboa e Vale do Tejo (243), da região Centro (74) e do Algarve (21).

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.