"Se tivermos de criar uma vacina completamente nova, isso será no início de 2022", disse o médico-chefe da Moderna, Paul Burton, numa entrevista à BBC.

Burton disse ainda que o fabricante de medicamentos tem tido centenas de pessoas a trabalhar na nova estirpe desde quinta-feira e explicou que nas próximas semanas espera ser possível determinar a eficácia da vacina existente contra a Omicron.

Desde que a nova variante foi identificada em meados da semana passada, os principais fabricantes ocidentais de vacinas covid-19, incluindo a Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson com sede nos EUA, começaram a testar a eficácia dos seus produtos contra a estirpe.

A Pfizer e o seu parceiro alemão BioNTech emitiram uma declaração na sexta-feira explicando que os seus laboratórios já estão a testar a variante para determinar se a sua vacina (uma das mais utilizadas nos EUA e nos países europeus) pode precisar de alguns "afinamentos".

Por seu lado, a Moderna advertiu que as mutações observadas na variante são "preocupantes" e explicou que irá testar várias doses de reforço da sua vacina para ver qual é a reação.

A Johnson & Johnson, que comercializa a sua vacina na Europa sob o nome da sua subsidiária Janssen, disse que já está a testar a eficácia do seu produto "contra a nova variante”.

A Novavax com sede nos EUA e a britânica AstraZeneca também disseram que estão a testar o efeito das suas vacinas contra a nova variante.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.