Bolsonaro fez a observação na terça-feira, um dia antes de o seu governo recomendar o uso generalizado de cloroquina e um derivado menos tóxico, a hidroxicloroquina, para tratar doentes com a covid-19 mesmo em casos leves, apesar de estudos questionarem a sua segurança e eficácia contra o novo coronavírus, conta a agência France-Presse.

O "Trump dos Trópicos", como Bolsonaro já foi chamado, partilha o entusiasmo do homólogo norte-americano pelos dois medicamentos, bem como a sua tendência em desconsiderar as evidências científicas que os contradizem.

Com base em estudos preliminares na China e na França — e, aparentemente, na esperança por algo além das restrições que afetam gravemente a economia — ambos, Trump e Bolsonaro, têm defendido a cloroquina e a hidroxicloroquina como potenciais medicamentos contra a covid-19, apesar da insistência dos cientistas de que mais testes são necessários.

Trump chegou a revelar na segunda-feira que toma diariamente hidroxicloroquina como medida preventiva.

Mas nem mesmo ele foi capaz de fazer o que Bolsonaro fez: conseguir que as autoridades nacionais de saúde ampliem o uso recomendado dos medicamentos, de testes clínicos e casos graves para toda a população infetada, no início dos sintomas.

"Ainda não existe comprovação científica, mas [a cloroquina] está sendo monitorada e usada no Brasil e no mundo", escreveu Bolsonaro esta quarta-feira na rede social Twitter.

"Contudo, estamos em Guerra: 'Pior do que ser derrotado é a vergonha de não ter lutado', acrescentou.

"Deus abençoe o Brasil".

Efeitos colaterais incluem a morte

Com Trump à procura da reeleição em novembro e Bolsonaro isolado pela resposta minimalista à pandemia, o debate sobre a cloroquina tornou-se intensamente político.

A declaração completa de Bolsonaro sobre o assunto na noite de terça-feira foi: "Quem for de direita toma cloroquina, de esquerda toma Tubaína", uma expressão usada numa alusão a refrigerantes baratos.

O ex-ministro da Saúde do Brasil, Nelson Teich, renunciou na semana passada após de menos de um mês no cargo, depois de discordar da insistência de Bolsonaro em expandir o uso da cloroquina contra a covid-19.

Analistas políticos preveem que Bolsonaro, agora com o terceiro ministro da pandemia, procura um substituto flexível disposto a ignorar a falta de evidências científicas sobre a cloroquina.

De facto, depois de o ministro interino Eduardo Pazuello aprovar as novas diretrizes de tratamento, Bolsonaro disse que planeia mantê-lo no cargo "por muito tempo".

As novas diretrizes recomendam que os médicos do sistema público de saúde prescrevam cloroquina ou hidroxicloroquina desde o início dos sintomas de covid-19, juntamente com o antibiótico azitromicina.

Os pacientes deverão assinar um documento reconhecendo que foram informados sobre possíveis efeitos colaterais, incluindo disfunção cardíaca e hepática, danos à retina "e até morte".

Assim, a decisão final sobre o uso dos medicamentos fica para os médicos e pacientes.

O ministério da Saúde reconheceu que "ainda não há meta-análises de ensaios clínicos multicêntricos, controlados, cegos e aleatórios que comprovem o beneficio inequívoco dessas medicações para o tratamento da covid-19".

No entanto, afirmou que o governo tem a responsabilidade de emitir diretrizes usando as informações atualmente disponíveis.

"Nós estamos falando de uma guerra onde precisamos disponibilizar o direito que é clamado pelos brasileiros a receber uma medicação que em vários estudos clínicos tem mostrado evidências, embora tenhamos estudos ainda escassos no mundo inteiro", disse Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, durante uma conferência de imprensa em Brasília.

Aumento dos casos

A cloroquina e a hidroxicloroquina, um derivado menos tóxico, além de usadas contra a malária há séculos, também tratam algumas doenças autoimunes, incluindo o lúpus. Ambas são formas sintéticas de quinino, provenientes da cinchona.

Mas a sua eficácia no tratamento da covid-19 é outro assunto.

"A cloroquina mostrou claramente que não tem o seu papel, que é o tratamento, aquilo que mais nós objetivávamos em relação ao coronavírus. Muito pelo contrário: ela deixa um legado de efeitos colaterais", disse Jean Gorinchteyn, infecciologista do Instituto Emílio Ribas e do Hospital Albert Einstein Hospital, em São Paulo.

Eme também demonstrou preocupação com a ilusão de que o tratamento pudesse levar as pessoas a sentirem-se menos inclinadas a observar medidas de isolamento.

"Quando você diz que tem remédio, as pessoas acabam se despreocupando, e acham que poder sair para trabalhar. Quanto mais o vírus circula, mais o vírus também o faz", completou.

Há uma preocupação de que o uso generalizado da cloroquina contra o coronavírus gere escassez para outros pacientes. Muitas farmácias no Brasil dizem que já estão sem os dois medicamentos.

"Antes da pandemia, vendíamos no máximo uma caixa por mês. No final de março a procura começou a aumentar e depois não recebemos mais o produto", disse um farmacêutico do Rio de Janeiro à AFP.

Bolsonaro comparou o novo coronavírus a uma "gripezinha" e condenou a "histeria" ao seu redor, argumentando que as restrições impostas pelas autoridades estaduais e locais vão desencadear uma crise económica com mais mortes e sofrimento do que o próprio vírus.

Face à resposta desarticulada de seu governo, o Brasil emergiu como o mais recente foco da pandemia de coronavírus.

O país registou mais de 270 mil casos e quase 18 mil mortes até agora, e o aumento de infeções não deve atingir o pico até junho.

Especialistas dizem que devido à subnotificação, os números reais são provavelmente muito maiores.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.