Em conferência de imprensa a partir da sede da OMS, em Genebra, o diretor-geral, Tedros Ghebreyesus, afirmou que “os atos de muitas pessoas e governos” e “mensagens contraditórias” vindas de chefes de Estado e outros líderes estão a “minar” os esforços para controlar a expansão do novo coronavírus.

O responsável avisou que “não haverá um regresso à velha normalidade no futuro próximo mas há um roteiro para controlar [a covid-19] e continuar com a vida”, salientando que sem medidas de controlo e supressão adotadas a nível governamental e em colaboração com as populações, a pandemia “só vai ficar pior e pior e pior”.

Sem se referir a nenhum líder ou país em concreto, Ghebreyesus vincou que dizer uma coisa e praticar outra é uma forma de destruir a confiança dos cidadãos, que é “o ingrediente mais crítico” na resposta, e de beneficiar o vírus, “cujo único objetivo é encontrar pessoas para infetar”, apontou.

Tedros Ghebreyesus apontou o continente americano como “o epicentro” da pandemia, com “mais de 50% dos casos” de todo o mundo.

Os governos devem “comunicar com clareza com os cidadãos” e desenhar “estratégias completas para suprimir a transmissão”, levando “as populações a seguirem os princípios básicos de saúde pública: distância física, uso de máscaras, etiqueta respiratória”.

“Cada governo, líder ou pessoa pode fazer a sua parte”, defendeu, reconhecendo que muitos governantes estão a “trabalhar em circunstâncias difíceis” e têm que equilibrar “desafios de saúde, sociais e culturais”.

Tedros Ghebreysus declarou que é preciso “chegar a uma situação sustentável com controlo adequado do vírus” sem ser preciso fechar países inteiros ou passar o tempo de um confinamento para outro.

“Nunca é tarde mais para ações decisivas” no combate à pandemia, salientou.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 569 mil mortos e infetou mais de 12,92 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.662 pessoas das 46.818 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.