Reino Unido

O Reino Unido registou 16 mortes de covid-19 nas últimas 24 horas, menos do que as 22 de domingo, mas o total de óbitos subiu para 44.236 desde o início da pandemia, anunciou hoje o Ministério da saúde britânico.

Dos 97.315 realizados, 352 foram positivos, aumentando para 285.768 o número de infetados desde o início da pandemia.

O número de mortes é o mais baixo desde meados de março, embora aos fins de semana e às segundas-feiras esse valor seja geralmente menor devido a atrasos administrativos.

Inglaterra entrou este sábado na terceira fase do plano de desconfinamento, com a reabertura de bares, restaurantes, hotéis, cabeleireiros e outros negócios pela primeira vez depois de mais de três meses fechados.

Devido à autonomia em termos de saúde, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte têm planos diferentes, com o levantamento de restrições mais rápido ou mais lento, dependendo das circunstâncias.

Imagens de multidões de pessoas a beber em locais públicos na Inglaterra criaram polémica e a perceção de que, em alguns casos, as regras da distância social não foram respeitadas.

Porém, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse hoje, durante “, disse Johnson a jornalistas durante uma visita a Yorkshire (norte da Inglaterra) que a maioria “esmagadora” das pessoas agiu com responsabilidade.

“É verdade que houve alguns lugares onde as pessoas foram imprudentes e algumas pessoas foram vistas a fazer coisas erradas. Mas, para ser honesto, esmagadoramente acho que os cidadãos deste país geralmente fizeram a coisa certa neste fim de semana”, afirmou.

Itália

A Itália registou mais oito mortes com o novo coronavírus nas últimas 24 horas e 208 infeções, depois de no domingo este número ter caído para baixo de 200, segundo a Proteção Civil.

O número total de mortes com covid-19 em Itália é agora de 34.869 e o total de casos de contaminação é de 241.819.

Um total de 133 pessoas foram curadas no último dia, as hospitalizadas em todo o país são menos de mil e existem apenas 72 pessoas internadas em unidades de cuidado intensivo.

Mais da metade dos novos casos de contágio (111) foram registados na Lombardia, que continua a ser a região mais afetada pela epidemia.

As autoridades sanitárias italianas estão a monitorizar alguns novos surtos, quando a retirada das medidas de contenção está concluída, incluindo um em Roma, que tem 39 casos detetados, todos de cidadãos do Bangladesh, que chegaram desse país nos últimos dias.

A região de Roma decidiu a partir de hoje testar todos os passageiros vindos de Bangladesh, um país com uma rápida disseminação do vírus, segundo o conselheiro regional de Saúde, Alessio D'Amato.

O ministro da Saúde italiano, Roberto Speranza, anunciou que a Itália testará todos os passageiros vindos de fora do espaço Schengen, após a reabertura de fronteiras com alguns países.

O ministro explicou que esta medida não significa que fique suspensa a quarentena obrigatória para todos aqueles que viajam de fora da zona Schengen, que devem ficar 14 dias isolados e sujeitos a controlos sanitários.

Alguns dos mais recentes surtos de covid-19 devem-se a cidadãos estrangeiros residentes na Itália que regressaram ao país, com a progressiva reabertura de fronteiras decretada desde 03 de junho.

França

França somou 27 mortos da covid-19 desde sexta-feira, elevando o total de mortes no país devido ao novo coronavírus para 29.920, indicou hoje a Direção-geral de Saúde francesa.

Desse total, 19.423 mortes foram registadas em hospitais e 10.497 em residências de idosos e instituições de dependência.

Continuam hospitalizadas no país 7.850 pessoas, 548 das quais nas unidades de cuidados intensivos (UCI).

A situação na Guiana francesa continua "preocupante", segundo as autoridades. Foram até agora identificados 324 focos de infeção nesta região ultramarina, havendo já 4.913 casos confirmados.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 534 mil mortos e infetou mais de 11,47 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.