“Uma das utentes que está positiva está internada na enfermaria ‘covid’ do Hospital José Joaquim Fernandes”, em Beja, disse hoje à agência Lusa fonte da ULSBA, da qual a unidade hospitalar faz parte.

A mesma fonte contactada pela Lusa explicou que 126 pessoas daquela Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI) da cidade de Beja, entre utentes e funcionários, foram testadas à presença do coronavírus SARS-CoV-2.

Deste total, foram detetados 97 casos positivos de covid-19, 14 negativos e 15 inconclusivos, indicou.

No que respeita aos utentes, foram "testadas 89 pessoas", das quais “83 deram positivo, uma delas a que está internada no hospital, uma teve resultado negativo e cinco tiveram resultados inconclusivos e repetem hoje o teste”, adiantou.

No que toca aos funcionários, foram "efetuados testes a 37", tendo "14 deles dado positivo, 13 negativo e 10 sido inconclusivos", pelo que "farão também hoje novo teste”, acrescentou a fonte da ULSBA.

Segundo a ULSBA, igualmente nesta quinta-feira, "uma equipa de Saúde composta por médicos e enfermeiros do Hospital José Joaquim Fernandes e dos Cuidados de Saúde Primários vai deslocar-se ao lar, para avaliar o estado de saúde dos utentes que permanecem na instituição”.

O presidente da Câmara de Beja, Paulo Arsénio, já tinha revelado à Lusa, na quarta-feira à noite, que pelo menos 97 pessoas da Mansão de São José, entre utentes e funcionários, estavam infetadas com o novo coronavírus. De acordo com o autarca, utentes e funcionários foram testados à presença do SARS-CoV-2 na terça-feira, depois de haver a confirmação de “dois positivos”, uma utente e uma funcionária.

A despistagem foi feita pelo Algarve Biomedical Center (ABC) e, “sensivelmente às 19:30” de quarta-feira, houve a confirmação de mais “95 casos positivos, entre utentes e funcionários”, referiu o autarca, que disse não dispor de informações para especificar quantos eram relativos a utentes ou a funcionários.

Interrogado pela Lusa sobre se a autarquia receia a transposição deste surto para a comunidade, Paulo Arsénio considerou que esta é uma “situação complexa”, mas “terá muito que ver com o número de funcionários infetados”, uma vez que os idosos do lar “estão confinados àquele espaço”, enquanto os funcionários não.

Segundo o autarca, 123 utentes e funcionários do lar Mansão de São José foram testados à presença do SARS-CoV-2 na terça-feira depois de haver a confirmação de “dois positivos”, uma utente e uma funcionária.

Questionado sobre se alguma das pessoas que testou positivo à presença do novo coronavírus necessitou de ser transportada para uma unidade hospitalar, o presidente da Câmara Municipal de Beja disse que “terá de ser a autoridade de saúde a prestar essa informação”, no entanto, uma vez que “os testes foram todos feitos no lar na tarde de ontem [terça-feira], significa que não estaria ninguém hospitalizado”.

A notícia foi avançada na noite de hoje pelo Jornal de Notícias, que citava um comunicado divulgado pela Câmara de Beja. Contudo, o comunicado tinha sido, entretanto, retirado.

Paulo Arsénio explicou que, apesar de a informação veiculada na nota estar correta, “houve um erro de comunicação”, uma vez que a autarquia publicou o comunicado antes de o lar ter sido informado sobre o número de infetados resultantes da despistagem feita.

“Causámos desconforto” junto das autoridades de saúde, explicou.

Contudo, o comunicado foi novamente publicado cerca da 22:55 e explicita que a autarquia, “através do Serviço Municipal de Proteção Civil, a Autoridade de Saúde Pública da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA), o Centro Distrital da Segurança Social e demais entidades responsáveis estão a articular-se no sentido de darem a resposta adequada a esta situação”.

A pandemia da doença (covid-19) provocada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) já infetou mais de 38,2 milhões de pessoas e provocou a morte a mais de um 1.087.000, dá conta o balanço mais recente feito pela agência France-Presse.

Em Portugal morreram pelo menos 2.117 pessoas dos 91.193 casos de infeção confirmados até hoje, de acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

Nas últimas 24 horas o país contabilizou 2.072 infeções, o valor diário mais elevado desde o início da pandemia, e sete óbitos.

(Artigo atualizado às 00:39)

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.