“Nos contratos iniciais com as várias farmacêuticas que têm acordo com a Comissão Europeia, com calendários de entrega em 2020 e 2021, Portugal adquiriu todas as vacinas possíveis de serem compradas, face à sua população”, afirmou hoje o ministério em comunicado.

Além dos contratos iniciais, Portugal adquiriu “quantidades adicionais de outras vacinas”, nomeadamente da Pfizer-BioNTEch e da Moderna, prevendo também adquirir doses adicionais ao contrato inicial com a AstraZeneca, segundo a mesma fonte.

“Relativamente à compra de doses adicionais, a opção de Portugal foi a de escolher as doses adicionais em função dos prazos de entrega, ou seja, escolhendo aquelas que chegariam mais cedo”, explicitou o gabinete da ministra da Saúde, Marta Temido.

O motivo para este esclarecimento prende-se com a notícia hoje avançada pelo Jornal de Negócios [Acesso Exclusivo para Assinantes], de que Portugal comprou apenas 2,8 milhões de doses da vacina farmacêutica Moderna, quando poderia ter comprado os 3,7 milhões a que tinha direito, deixando assim 800 mil doses de fora.

Em declarações ao mesmo jornal, Francisco Ramos, coordenador do plano nacional de vacinação para a covid-19, indicou que esta decisão foi tomada porque "já nos sobram muitas doses". Tendo comprado o volume total de vacinas disponibilizado pelo primeiro contrato da Moderna com a União Europeia — no valor de 1,8 milhões de vacinas —, Portugal optou por não comprar todas as vacinas disponibilizadas por um segundo contrato.

Este, que entregou mais 80 milhões de vacinas aos Estados-membro da UE, teria significado uma alocação total de 3,7 milhões de doses para Portugal. Todavia, o Governo comprou apenas um milhão, deixando 800 mil doses para serem compradas por outros membros da União. Ou seja, no total, comprou 2,8 milhões de doses.

Essa é também a informação agora veiculada pelo Ministério da Educação. No que concerne à Moderna, e além do contrato inicial, Portugal comprou um milhão de doses e não optou pela compra de mais 800.000 doses adicionais, porque “seriam entregues apenas no fim do ano”.

“Neste momento, Portugal já conseguiu assegurar mais de 31 milhões de doses de vacinas, doses suficientes para se vacinar mais de 18 milhões de pessoas (tendo em conta o atual conhecimento, uma vez que há vacinas que são unidose)”, sublinhou o ministério no documento.

Confirmando-se a entrega relativa a todos os contratos já estabelecidos, Portugal terá “todas as doses de vacinas de que necessita para cumprir o seu Plano de Vacinação”, que é universal e gratuito.

De acordo com o ministério, a questão essencial para se acelerar o ritmo de vacinação no país não se prende com a quantidade de vacinas adquiridas, mas com o calendário de entrega.

Em Portugal, morreram 9.686 pessoas, em 595.149 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.