“Estamos, neste mês de dezembro numa média de 80 doentes por dia suspeitos, com picos a chegar aos 120 por dia. Isso já não era comportável na área em que nós estávamos e, portanto, é com naturalidade que adaptámos a nossa função em termos do plano de contingência do Serviço de Urgência”, afirmou, em declarações à Lusa, o Diretor da Unidade Autónoma de Gestão de Urgência e Medicina Intensiva, Nelson Pereira.

De acordo com aquele responsável, nas últimas semanas tem-se assistido a um aumento “paulatino”, mas “progressivo” do número de doentes com queixas respiratórias no Serviço de Urgência.

Nos últimos dias, acrescentou, “esse incremento tornou-se ainda mais significativo”, ao ponto de a área do hospital dedicada aos doentes suspeitos “já não ser suficiente”.

Esta situação levou à tomada de decisão de reabrir a área de contentores instalada no recinto do Hospital do São João desde março de 2020 para dar resposta às necessidades decorrentes da pandemia de covid-19.

Desde julho, altura em que Portugal enfrentava a quarta vaga da pandemia, que esta área não estava a ser utilizada, indicou Nelson Pereira.

À Lusa, o diretor da Unidade Autónoma de Gestão de Urgência e Medicina Intensiva garantiu que, nesta fase, os profissionais que estão a ser alocados para esta área integram a equipa interna do Serviço de Urgência, por forma a não colocar em causa a atividade não covid do Hospital de São João.

De acordo com dados cedidos hoje, naquela unidade hospitalar estão internadas 24 pessoas com o novo coronavírus, das quais 10 em cuidados intensivos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.