No passado domingo, foram feitos testes de despiste do vírus aos funcionários do estaleiro da Câmara de Vidigueira, distrito de Beja, e os resultados, conhecidos na terça-feira, permitiram detetar a infeção em quatro, explicou hoje à agência Lusa o presidente da autarquia, Rui Raposo.

"Como medida imprescindível para a proteção da saúde dos trabalhadores da autarquia e a contenção da propagação do vírus", o autarca decidiu colocar de quarentena os trabalhadores do estaleiro que tiveram contacto mais direto com os infetados e que são "a maioria" dos afetos aos serviços operacionais.

Por isso, explicou, as valências operacionais do município, como a recolha de lixo e a limpeza urbana, estão a ser prestadas em serviços mínimos e através dos funcionários que não estão de quarentena, nomeadamente os de equipas que já estavam a trabalhar em espelho e também os que desempenham funções nas freguesias rurais do concelho.

Segundo o autarca, "logo que possível", vão ser feitos segundos testes aos trabalhadores dos serviços operacionais para despistar eventuais casos de falsos resultados negativos, ou seja, em que não foi possível diagnosticar a infeção por estar em período de incubação, que é o tempo entre a exposição ao vírus e o aparecimento de sintomas.

O autarca disse que a Câmara de Vidigueira poderá contratar a uma empresa a realização dos segundos testes aos trabalhadores dos serviços operacionais e uma operação de testagem de todos os restantes funcionários do município no caso de a autoridade de saúde local não ter capacidade para o fazer.

Na vila de Vidigueira, além do surto no estaleiro municipal, há um outro com 14 utentes e cinco funcionários infetados pelo vírus da covid-19 na Estrutura Residencial para Pessoas Idosas e Centro de Dia da Fundação Domingos Simão Pulido.

A mais recente atualização da situação epidemiológica no concelho de Vidigueira, publicada na terça-feira, no sítio de Internet do município, regista 139 pessoas infetadas pelo vírus da covid-19 desde o início da pandemia, das quais 120 estão com infeções ativas, 18 já recuperaram e uma morreu.

No final da semana passada, a Câmara de Vidigueira fechou equipamentos municipais e suspendeu o atendimento público presencial devido ao "aumento substancial" de casos de infeção e tendo em conta a "evolução dos níveis de propagação" do vírus da covid-19 e "a necessidade de garantir condições de segurança e saúde adequadas à prevenção de riscos de contágio" no concelho.

Segundo o município, Vidigueira registou um "aumento substancial" de casos na passada semana, mas "mantém-se na situação de risco moderado" na atualização da lista dos concelhos de risco anunciada no dia 17 deste mês pelo Governo, porque a avaliação foi feita tendo "em conta um intervalo de datas que não contemplou ainda a atual realidade do concelho e que terá efeitos apenas na próxima avaliação".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.