Os dois países, os únicos nórdicos não-alinhados militarmente, estão a ponderar candidatar-se à NATO na sequência da invasão russa da Ucrânia, sendo que o processo da Finlândia está mais avançado.

De acordo com a imprensa local, o Governo finlandês pretende tornar pública a sua decisão de solicitar a adesão em meados de maio, apesar das repetidas ameaças do Kremlin (presidência russa) para que não o faça.

Na Suécia, os partidos políticos ainda estão a debater no parlamento a possibilidade de pedir a adesão e irão apresentar um relatório sobre a nova política de segurança em 13 de maio, um mês depois de a Finlândia ter feito o mesmo.

Estocolmo e Helsínquia aumentaram consideravelmente a cooperação e os contactos bilaterais nas últimas semanas para tentar chegar a um acordo sobre uma posição conjunta em relação à NATO e, eventualmente, solicitar a sua entrada ao mesmo tempo.

“Não há outros países que tenham uma cooperação tão forte entre si fora da NATO como a Finlândia e a Suécia”, disse Linde em conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo finlandês, Pekka Haavisto.

Os dois ministros acordaram reforçar essa cooperação se for necessário enfrentar Moscovo, o que inclui o planeamento de operações em situações de crise e conflito.

“Se o nosso contexto de segurança se tornar mais desafiante, podemos aumentar esse planeamento bilateral, que inclui todos os setores de cooperação militar”, afirmou Haavisto.

O ministro finlandês adiantou ainda que se o seu país aderir à NATO, será um “contribuinte líquido para a segurança”, já que hoje dispõe de forças armadas altamente preparadas, além de centenas de milhares de reservas e armamento moderno.

Nem Haavisto nem Linde quiseram esclarecer se chegaram a acordo com algum país membro da Aliança Atlântica para que lhes seja dado apoio militar no caso de uma agressão russa durante o período entre o pedido de adesão e a ratificação de todos os países aliados.

“Isso é algo que deve ser anunciado por esses países quando acharem que é a hora certa”, considerou Haavisto.

O secretário-geral da NATO assegurou na quinta-feira que Suécia e Finlândia serão “recebidas de braços abertos” caso decidam aderir à Aliança Atlântica e deplorou a “intimidação e ameaças” da Rússia para que os dois países não se juntem à organização.

A NATO – ou Organização do Tratado do Atlântico Norte – é uma aliança de 30 países unidos por um acordo de “defesa coletiva”, cujo artigo 5.º prevê que um ataque a um dos membros seja considerado um ataque a todos.

A adesão à Aliança Atlântica colocará a Suécia e a Finlândia sob a égide do artigo 5º que fornece uma garantia coletiva contra qualquer agressão externa, exigindo que cada nação tome as medidas necessárias, incluindo o uso de forças armadas, para restaurar e manter a segurança de todos os países aliados.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.