Entre estes 52 mortos, há pelo menos 8 menores de 16 anos, avança a AFP.

A Autoridade Palestina acusou Israel de cometer um "massacre horrível" na fronteira da Faixa de Gaza e pediu uma "intervenção internacional".

Este é o dia mais violento do conflito desde a guerra de 2014 no território.

Yusuf al-Mahmud, porta-voz da Autoridade Palestina, pediu em comunicado "uma intervenção internacional imediata para travar o massacre horrível em Gaza cometido pelas forças israelitas".

O porta-voz do governo da Turquia, Bekir Bozdag, afirmou que a "administração americana é tão responsável como Israel por esta matança".

Milhares de pessoas protestam desde o início da manhã na fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel.  Os soldados israelitas abriram fogo quando os manifestantes se aproximaram da fronteira.

O Exército israelita já espera que dezenas de milhares de palestinianos participem nos protestos contra a transferência da embaixada dos Estados Unidos de Telavive para Jerusalém.

Em panfletos lançados por caças, o exército israelita avisou que "atuará contra qualquer tentativa de danificar a vedação de segurança ou atacar soldados ou civis israelitas".

Na terça-feira, os palestinianos assinalam o 'Nakba' (desastre, em árabe), que designa o êxodo palestiniano em 1948, quando pelo menos 711.000 árabes palestinianos, segundo dados da ONU, fugiram ou foram expulsos das suas casas, antes e após a fundação do Estado israelita.

(Notícia atualizada às 17h11)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.