Remar contra a corrente do rio tem sido a sina das gentes de Talhas, em Macedo de Cavaleiros, e Sampaio, em Mogadouro, que têm agora a promessa de que, no próximo ano, poderá começar a ser construída a ponte que encurtaria para menos de metade a distância entre os dois concelhos, mas também do resto da região, incluindo a ligação à capital de distrito, Bragança.

A atual estrada nacional 216, que liga os dois concelhos, é uma das mais sinuosas da região e os mais de 40 quilómetros que obriga a percorrer poderiam ser reduzidos para “15 ou 18” com a construção da ponte sobre o rio, que levou os presidentes ao local.

A Francisco Guimarães, de Mogadouro, e Benjamim Rodrigues, de Macedo de Cavaleiros, restaria ficar a acenar e a fazer votos em voz alta, um em cada margem, não fosse a velha barca enferrujada do casal Ana Rodrigues e António Silvino.

O casal chegou carregado de compras do lado de Mogadouro, onde, como habitualmente deixou a carrinha, para atravessar na barca a remo, e subir de trator, que fica a guardar do lado de Macedo, até à Quinta da Barca, local onde passam a maior parte do tempo, apesar de terem residência em Sampaio.

créditos: FRANCISCO PINTO/LUSA

Com a ajuda de António, os dois presidentes da Câmara fizeram a travessia na velha barca para realçarem juntos “este anseio que as populações de Talhas e Sampaio têm há muitas dezenas de anos” e que esta “é uma altura oportuna” para tentar “ligar e encurtar um bocadinho a distância”.

Os dois autarcas socialistas prometem trabalhar em sintonia para ir buscar cerca de 240 mil euros ao fundo disponibilizado pela barragem do Baixo Sabor e começar a construir “no próximo ano” a ponte.

Depois há a questão dos acessos do rio até Talhas e até Sampaio, atualmente feitos em terra batida e que, numa primeira fase, as autarquias prometem melhorar, mas não será suficiente.

Como diz Francisco Guimarães vão precisar “também da vontade política do Governo e de departamentos governamentais, nomeadamente ligados ao ambiente numa zona protegida como Rede Natura 2000".

“Somos municípios pequenos, estamos numa região de baixa densidade [populacional], por isso é necessária efetivamente a boa vontade política depois do governo”, vincou.

O autarca de Macedo de Cavaleiros fala de “dois concelhos com muita dinâmica” que com a ajuda da ponte poderiam “potenciar” fluxos económicos.

Deu como exemplo as cooperativas de amêndoa que estão do outro lado do rio, em Mogadouro, Torre de Moncorvo, e que com o novo trajeto conseguiriam encurtar as distâncias do transporte de cargas pesadas desses produtos.

créditos: FRANCISCO PINTO/LUSA

As principais vias da região, que ligam a Espanha e ao Litoral, como a A4 e o IC5, ficariam mais próximas e até o acesso à capital de distrito, atualmente feito por Vimioso, poderia ser encurtado, seguindo por Izeda.

Na época da pesca, “é um mundo de gente”, nesta zona, como observou à Lusa o presidente da freguesia de Talhas, Inácio Romão, também habituado às peripécias para vencer o rio numa zona em que “as pessoas têm terras de um lado e do outro”.

“Antigamente tinham uma barca maior que passava sete ou oito pessoas e ainda levava animais, o pão e o que calhava”, recordou.

Quando o caudal amansa, é possível passar a pé em algumas zonas, mas sobretudo com veículos todo o terreno. Talvez por isso carrinhas, mas principalmente tratores é o que não falta na falta na terra. “São para cima de 160”, garantiu.

O casal António e Ana, ele com 64 anos e ela com 57, são donos da única e agora velha barca para a travessia e passam a maior parte do tempo do lado de Talhas, na Quinta da Barca, nas lides agrícolas e do gado, apesar de terem residência em Sampaio.

Criaram assim três filhos e, desde há mais de 30 anos, que fazem o negócio transportando de uma margem para a outra a azeitona e os cabritos para venda.

Apesar de todas as peripécias não há memória de acidentes nesta travessia e “uma senhora do lado de lá pôs ali uma cruz porque nunca morreu ali ninguém, diz que aquilo é sagrado”, como contou Ana.

Maria Augusta, habitante de Talhas, “muitas vezes atravessou o rio” numa época em que "a gente passava a cavalo numa burrinha, num macho, qualquer coisa que fosse”.

A ponte é fundamental, como defendeu, pois Talhas é uma localidade sem saída, o que não permite criar expectativas em relação a negócios como o pão caseiro que coze e que até podia vender, mas torna-se mais difícil por a localidade não ser ponto de passagem.

Ver para crer é o lema de Maria Augusta que resume: “há muita gente que diz que isso é só para entrar para o poder, para a política e depois esqueceu-se tudo, agora vamos ver, a gente gostaria muito”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.