Este dado é encarado como um triste recorde que desestabiliza a calote glaciar austral.

Ao meio-dia, na base Esperanza, uma estação científica, a temperatura registava 18,3 graus.

Segundo o instituto meteorológico, trata-se de um recorde desde 1961. O anterior foi de 17,5 graus, em 24 de março de 2015.

Na base de Marambio, outra estação científica, a temperatura atingiu 14,1 graus, um recorde para um mês de fevereiro, desde 1971. O recorde anterior remonta a 24 de fevereiro de 2013, com 13,8 graus.

Os recordes de temperatura “certamente chocam, mas não surpreendem”, uma vez que a Antártida aquece com o resto do planeta, disse hoje Frida Bengtsson, especialista em ambiente marinho da Greenpeace, em comunicado.

Após uma década recorde, que terminou com um ano de 2019 que foi o segundo mais quente já registado no planeta, o ano 2020 denota a mesma tendência, com o mês de janeiro mais quente já registado.

Consequência direta do aumento das temperaturas devido às atividades humanas, as calotes glaciares da Antártida e da Gronelândia perderam em média 430 mil milhões de toneladas por ano desde 2006, fazendo subir o nível dos oceanos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.