A PGR adianta que esta investigação “não tem arguidos constituídos”.

Elina Fraga foi eleita este fim de semana uma das vice-presidentes do PSD e essa decisão foi contestada no próprio Congresso Nacional do partido com assobios e apupos e gerou a indignação da ex-ministra da Justiça Paula Teixeira da Cruz e de outros sociais-democratas.

A antiga titular da pasta da Justiça acusou, em declarações ao jornal Observador, Rui Rio de traição por essa decisão. Em causa está uma queixa apresentada por Elina Fraga, em 2014, contra todos os ministros do Governo PSD/CDS de Pedro Passos Coelho que aprovaram o mapa judiciário.

Elina Fraga foi bastonária da Ordem dos Advogados entre 2014 e 2016.

Hoje, a PGR precisa que em novembro passado recebeu “o relatório de auditoria realizado às contas e procedimentos da Ordem dos Advogados (nos triénios 2011/2013 e 2014/2016)”, tendo essa documentação sido remetida ao Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, “onde deu origem a um inquérito que se encontra em investigação”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.