O edifício, localizado no areal da cidade nortenha, e que durante décadas acolheu restaurantes, bares e discotecas, vai ser demolido por indicação da Agência Portuguesa do Ambiente.

A tutela considerou que a estrutura já não servia os propósitos para que foi construído e que, devido ao seu estado de degradação e ao facto de estar em cima da praia, deveria ser demolido.

Os concessionários do edifício ainda tentaram impugnar judicialmente a decisão, mas o processo é agora irreversível e as operações vão mesmo avançar no primeiro dia de setembro.

"Falei com o ministro do Ambiente e combinámos que para não perturbar a atividade balnear no mês de agosto iremos dar início aos trabalhos de demolição a 1 de setembro", disse Aires Pereira.

O presidente de Câmara esclareceu que a primeira fase da operação contemplará "a remoção de materiais do interior do edifício, nomeadamente aqueles que são passíveis de serem reciclados".

O autarca estima que essa primeira fase deve demorar duas semanas para que, depois, "sejam feitas as operações de demolição da estrutura, com máquinas pesadas, em meados de setembro".

O prazo estabelecido para a conclusão da operação é de 60 dias.

No local vai ser construído um parque de lazer e alargada a área de praia envolvente.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.