Em comunicado, no seu site, a Ordem dos Enfermeiros (OE) "repudia veementemente a agressão" bem como "a situação que se seguiu".

De acordo com o relato que chegou à OE, e que esta reproduz, quando começaram as agressões o elemento das forças de segurança daquela zona encontrava-se a "tomar conta de uma outra ocorrência".

Teve de ser um outro elemento segurança, que acompanhava um doente mental, a intervir.

A profissional de saúde terá mesmo ficado impedida de continuar a trabalhar face "às lesões sofridas, que são visíveis".

"Esta é mais uma situação que demonstra a necessidade de medidas concretas, que vão muito além da criação de um gabinete de segurança, designadamente ao nível da prevenção, em primeiro lugar, repressão e punição", refere a Ordem na na nota publicada esta quarta-feira de manhã.

“Isto não pode continuar a acontecer. É tempo de implementar medidas concretas a nível judicial. É tempo de alterações penais, tal como aconteceu quando o País decidiu enfrentar o fenómeno da violência doméstica. São necessárias medidas imediatas e visíveis”, defende a OE.

À enfermeira agredida, a OE refere que está a prestar toda a sua solidariedade, disponibilidade e apoio para que a situação não fique impune.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.