"Esta concentração de âmbito nacional [serve para] relembrar os problemas que nos afetam e que são muito anteriores à pandemia da covid-19. Há situações que se vêm arrastando desde janeiro de 2018", afirmou à agência Lusa Alfredo Gomes, do SEP.

O sindicato realizou uma concentração junto à entrada do Serviço de Urgência Hospital Sousa Martins, na Guarda, para recordar à tutela e à própria população que os problemas que afetam a classe continuam por resolver.

Em causa estão questões que são transversais a todo o país, nomeadamente a avaliação do desempenho, a discriminação entre enfermeiros, o "roubo" do tempo de serviço com a não contabilização de pontos ou a incorreta contabilização, a compensação pelo risco e penosidade da profissão, a existência de enfermeiros especialistas fora da categoria, entre outras.

"Queremos relembrar estas questões à população, que nos aplaudiu e à qual agradecemos, mas gostaríamos que a tutela o reconhecesse", afirmou.

O responsável do SEP explicou ainda que está agendada uma reunião de toda a estrutura sindical para setembro, onde será avaliado o desenvolvimento de toda a situação e que serve também para auscultar os enfermeiros sobre o assunto e até em relação a eventuais formas de luta.

Já sobre os problemas específicos que afetam a Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda, onde está incluído o Hospital Sousa Martins, Alfredo Gomes realçou duas situações mais prementes: A falta de enfermeiros na ULS e a presença de profissionais que ainda não usufruem do descongelamento das carreiras.

"Faltam enfermeiros. Há casos de 40 e 50 horas extraordinárias e na ULS existe subcontratação de enfermeiros. Essa não é a solução. A solução passa pela contratação de profissionais", indicou.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.